segunda-feira, 14 de março de 2011

Crónicas de uma Tia: Cozido à Portuguesa


Nada melhor para um Português que um bom Cozido à Portuguesa! Cá para as minhas “bandas” Carnaval sem cozido não é Carnaval. É uma autêntica correria aos talhos. Alguns até abrem no dia de folga só para satisfazer a “gulodice tradicional” dos seus clientes. É ver o povo a comprar a orelheira e o chispe de porco, os enchidos, as carnes fumadas e salgadas, um bom naco de vitela e a galinha caseira. Cá por casa a tradição é para cumprir: no Carnaval há cozido.





No entanto, e seguindo o “genial” raciocínio de alguns puristas culinários, qual será a genuína e pura “receita tradicional” do tão português Cozido? Qual será a técnica perfeita? Pois é caros leitores, pensem lá comigo, ou melhor dizendo, coloquem a vossa “massa cinzenta” a funcionar: não seria melhor o Governo criar uma Comissão de Trabalho para elaborar um “elaborado” documento que registasse as Receitas Tradicionais Portuguesas. Assim seria mais fácil para o povo incrementar a sua cultura gastronómica. Era só consultar o documento e seguir à risca todas as instruções.

Pois, seria uma grande estupidez!

A tradição está no povo, nas gentes e, principalmente nas famílias.
Em casa dos meus pais e avós o cozido não tem nabo nem feijão. Muito menos morcelas, farinheiras ou chouriços de sangue. Porquê? Simplesmente porque não gostamos. Em casa dos meus sogros todos os ingredientes anteriormente referidos estão bem presentes no tradicional cozido à portuguesa. Porquê? Simplesmente porque eles adoram!
Então e o meu amigo João, que é Angolano a viver em Portugal, que gosta de Cozido com batata doce!!! Deve ser um crime no entender de alguns auto, digo AUTO, intitulados “sabe tudo da tradição culinária”. E já agora, caros leitores e cozinheiros do Brasil, não se lembrem de comer o “nosso” Cozido com um feijãozinho preto polvilhado com farofa!
E os ciganos, com uma carga cultural enorme, será que fazem a receita tradicional, ou será que também são “culináriamente” falando inculto, e fazem o cozido como as avós e visavós os ensinaram?


Mas que grade aldrabice!

Comentem amigos e amigas, comentem!

8 comentários:

hannah disse...

Flor de sal... o que é que este "cromo" ainda anda a fazer pelos blogs??? carambas logo no primeiro comentario sair esta coisa na rifa... olha lá é mesmo dose de cozido á portuguesa... Nao entendo cada vez acho mais que este JVC (que por acaso tem nome de marca de electrodomestico ou quaquel coisa que lhe valha) tanto ande a entrar nos blogs das pessoas e tanto critique, deve ser um desses funcionarios publicos a quem o Scrates nao baixou o salario e julga que as tradiçoes vêm da familia dele, que coitado nem deve tradiçao nem saber o que é tradiçao... têm é uma forma mto estupida de autopromover um blog (o dele) que nao vale nada e que a meio de uma receita já estamos a dormir, porque é massudo ate dizer chega!!!

Quanto ao teu cozido está fabulastico, tem tudo aquilo que caracteriza o povo portugues... mas como se diz: "cada roca tem seu fuso, cada terra tem seu uso"!!!!

Beijinhos

Sónia Meirinho disse...

Eu ando com desejos de uma comida desta, e o mais estranho é que nunca apreciei assim tanto, devem ser as saudades de infância!! Apetece-me mesmo!!
Quanto a esta personagem JVC vê-se que tem palas laterais nos olhos e é um puro conservador e que não vê para além do ângulo que possui.Gente muito triste e com um Ego que parece quase rebentar, pois a julgar pelas suas "sábias" palavras deve ser alguém muito importante nesta sociedade! Meu caro senhor, abra os horizontes e deixe de ter essa visão das coisas, se fosse tudo como você este mundo era mesmo muito triste! Pobre ser!!!

Beijinhos

Flor de Sal disse...

Olá a todos!
Informo que retirei o comentário do "cromo" porque já lhe dei os "15 minutos" de fama no meu blog. E como o dito cromo, com medo aos comentários, simplesmente retirou a opção de comentários do seu entediante e com cheiro a mofo "blog", acho que não vale a pena atirar pérolas a ...
bjnhos

Doces Abobrinhas disse...

cheguei pela flor de sal... amo, me dou esse mimo em minhas saladas e crotons, foie.... vivo dieta emtao o tempero é tudo! adorei sua cozinha todinha!! nhac! rs!
um bj doce e apareça nas abobrinhas
roberta

turbolenta disse...

Este é mesmo uma daquelas refeições que raramente se fazem cá em casa, pois há quem não goste e acho que é uma ementa que merece ser bem saboreada por muita gente.Confesso não conseguir fazer cozido só para 3 pessoas e um bife grelhado para o 4º. Por isso só mesmo quando me decido a juntar um regimento de gente.
E isto porque,cozido que é cozido tem de levar aquele arsenal dos mais variados enchidos(que tento mal os médicos dizem fazer), além das variadas carnes de galinha,porco e vaca , complementado com as ditas couves,nabos ,batatas e cenouras. E porquê? porque já que se tem o trabalho, então que seja "mesmo a matar",pois não é coisa que se faça assim tantas vezes...
E depois ainda há alguns que exigem a sopa com os cotovelinhos.
Mas aí a minha boa vontade já não chega. Sopa de cozido, não, nunca, jamais em tempo algum.
lol lol
Mas era bem capaz de deliciar com um pratinho desta iguaria ,tão bem representada na foto.
Quanto ao "cromo" não devo estar muito enganada,mas, sem saber quem é, deve ser um alguém que de vez em quando bombardeia os blogues a fazer propaganda ao dele. Já teve um,mas quando a coisa começou a dar para o torto, com os comentários das pessoas, ele não permitiu os comentários e mais tarde acabou com a página.
se for quem eu penso era coisa jeitosA!

LPontes disse...

Bom dia, Flor de Sal

O caso "aldrabona culinária" que, como aconteceu comigo, vejo que também aqui teve seguimento, deu origem ao meu post de hoje no Outras Comidas, em que cito o seu de 7 de Fevereiro.
http://outrascomidas.blogspot.com/2011/03/e-mail-aberto-um-cabotino-chato.html

Moira disse...

Parafraseando um grande cozinheiro espanhol que há pouco tempo passou por Portugal, Juan Mari Arzac, cozinha é liberdade, e acho que cada um deve respeitar o trabalho dos outros independentemente de gostar ou não gostar.
Em minha casa o Cozido tem obrigatóriamente galinha, orelha e muitos fumados. Prescindo da vaca ou vitela em troca de um belo naco de presunto cozido que fica uma delícia. E acrescento que em várias zonas transmontanas o cozido é regado com azeite, coisa que para mim nunca me passaria pela cabeça. Já na Madeira o cozido leva batata doce, não deixando por isso de se chamar cozido à portuguesa. Resumindo: Cada terra com seu uso, cada casa com seu fuso, e quem disser o contrário arrisca-se a ser fundamentalista ;) O meu conselho é não dar importância ao que não é importante.

Anónimo disse...

Parece haver aí uma certa zanga, em que não quero meter-me. O que não concordo é com essa liberalidade de que tudo é bom quando se gosta, se for assim não sabemos o que é a cozinha tradicional verdadeira e há por aí muita aldrabice. Quando vou à internet da cozinha quero que me aconselhem bem.

ASF