quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Caldeirada de lulinhas... a borbulhar no fogão!


Com este tempo frio e chuvoso que teima em permanecer por cá, nada melhor que uma caldeirada a borbulhar em cima do fogão!

  • 1,5 kg de lulas pequenas, limpas
  • 1 kg de batatas cortadas em rodelas
  • 700 ml de conserva de tomate caseira ou 750g de tomate bem maduro, sem pele, aos cubos
  • 1 pimento verde cortado em tiras
  • 4 dentes de alho picados
  • 2 cebolas médias cortadas em rodelas
  • 200 ml de azeite
  • 200 ml de vinho branco
  • 1 folha de louro
  • Coentros ou salsa a gosto (opcional)
  • Sal & Piripíri q.b.

  1. Levar ao lume o azeite com as cebolas, os alhos e a folha de louro e deixar refogar até a cebola alourar;
  2. Adicionar o tomate, o pimento, temperar com sal e piripíri e deixar cozinhar cerca de 10 minutos;
  3. Juntar as lulas e o vinho branco e deixar cozer mais 10 a 12 minutos;
  4. Por último, adicionar as batatas (se necessário adicionar um pouco de água);
  5. Quando as batatas estiverem cozidas, polvilhar com coentros ou a salsa picada, envolver e retirar do lume;
  6. Servir!



sábado, 10 de fevereiro de 2018

O Amor está no Ar e na Cozinha" ... com um delicioso bolo de requeijão, mel, canela e amêndoa e... um fantástico Giveaway!


Não podíamos deixar de vos dar a nossa sugestão para o dia mais "in love" do ano: Um bolo  delicioso, que invade a sua cozinha com aromas fantásticos, inspiradores... "sensuais" e a oportunidade de ganharem 5 fantásticos cabazes recheados de deliciosos queijos Saloio!

O Bolo

  • 150g de açúcar
  • 3 colheres (sopa) de azeite
  • 6 ovos grandes
  • 400g de requeijão Natural Saloio
  • 6 colheres (sopa) de mel (de preferência de rosmaninho)
  • 1 colher (sopa), rasa, de canela
  • 1 colher (café) de erva doce
  • 1 colher (sopa) de vinho do Porto
  • 75g de farinha com fermento
  • 100g de amêndoa laminda
  1. Pré aquecer o forno a 180º;
  2. Retirar o requeijão da embalagem e colocar num escorredor;
  3. Juntar o açúcar, o mel e o azeite e bater tudo muito bem;
  4. Adicionar os ovos, uma um e bater bem até obter uma massa bem fofa;
  5. Esmagar muito bem o requeijão com um garfo, juntar à mistura anterior e bater até que o requeijão fique bem incorporado;
  6. Adicionar o vinho do Porto, a canela e a erva doce e bater mais um pouco;
  7. Juntar a farinha, peneirada, envolvendo bem (mas sem bater);
  8. Colocar a massa numa forma redonda bem untada com manteiga e polvilhada com farinha;
  9. Salpique com a amêndoa laminada e leve ao forno durante cerca de 40' (fazer o teste do palito).
O Passatempo



Em plena região Saloia a Queijo Saloio começou por ser uma pequena exploração agrícola onde o proprietário transformava, de modo artesanal, o leite do seu próprio rebanho em deliciosos queijos regionais. Dizia ele “de um bom leite se faz um bom queijo”, produzindo o seu queijo segundo os métodos artesanais cuja origem se perde na memória das gentes da região.
Mais de quatro décadas depois, a arte de produzir queijo regional de qualidade e tradição continuam a ser os pilares da Saloio. Todos os dias pomos o mesmo cuidado na seleção dos leites – de vaca, cabra e ovelha – no processo de coagulação e cura, aliando a tradição à tecnologia, o que nos permite assegurar a higiene e segurança dos nossos produtos. Embora continue fiel aos valores Tradição e Confiança, a Saloio aposta claramente na componente Inovação para desenvolver novos produtos que vão ao encontro das necessidades dos consumidores.

E para celebrar o Dia dos Namorados Os Queijos Saloio e o blog Flor de Sal têm para vos oferecer 5 cabazes repletos de deliciosos queijos. Cada cabaz é constituído por:

  • Queijo fresco natural 4 x 80 g
  •  1 Requeijão tradicional 170 g
  •  1 Regional – queijo de vaca cabra e ovelha curado 190 g
  • 1 Palhais Original – queijo de cabra curado 2 x 100 g
  •  1 Serra da Vila – queijo de vaca cabra e ovelha curado 190 g
  •  1 Alavão – queijo de vaca curado 470 g
  •  1 Três Igrejas metades – queijo de vaca, ovelha e cabra curado 450 g
  • 1 Toledo - queijo de vaca cabra e ovelha curado 190 g


Condições de participação Facebook AQUI

Condições de participação Instagram AQUI




O giveaway vai decorrer do dia 10 de fevereiro até ao dia 24 de fevereiro, até às 24 horas.
O sorteio será feito via Random org.
Giveaway válido para Portugal Continental.
O vencedor será anunciado até ao dia 4 de março


quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Bolo de Nada … ou bolo Teretetê






Nem todos os bolos têm de ter um ingrediente principal… chocolate, laranja, limão, cenoura. Um bolo de “nada” é um bolo confecionado com ingredientes básicos mas com um resultado surpreendente. É o bolo da avó, fofinho, delicioso, perfeito para acompanhar uma chávena de chá ou café.

Bolo Teretetê porque a receita é da Teresa Newman, Paraibana, autora de um blog que sigo há muito tempo, o Teretetê na Cozinha. Não conhecem? Aconselho.





  • 2 chávenas de açúcar
  • 3 chávenas de farinha
  • 4 ovos grandes
  • 1 chávena de leite
  • 1 chávena de manteiga à temperatura ambiente
  • 1 colher( sopa) fermento
  • 1 pitada sal

  1. Bater a manteiga com o açúcar até obter uma massa bem homogénea;
  2. Adicionar as gemas, uma a uma e continuar a bater;
  3. Colocar a batedeira em velocidade baixa e juntar a farinha (peneirada) alternadamente com o leite;
  4. Envolver, delicadamente, as claras batidas em castelo, o fermento e o sal;
  5. Colocar a massa numa forma de buraco, untada com manteiga e polvilhada com farinha;
  6. Levar ao forno (pré aquecido) a cerca de 175º até ficar cozido (fazer o teste do palito).













Props: DeBORLA


quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Butelo e Casulas estão na mesa!



Butelo e Casulas vão à mesa!
Dias 2, 3 e 4 de fevereiro decorrerá o Festival do Butelo e Casulas em Bragança. E como não tenho a certeza de lá poder ir… convoquei-os à nossa cozinha! Um prato pesado mas muito reconfortante e delicioso.
 Butelo… os Brigantinos gostam de lhe chamar a joia do fumeiro.  “O butelo é o exemplo acabado do bom aproveitamento do porco: envolvido pela bexiga ou pelo bucho, o humilde recheio de ossinhos do espinhaço e das costelinhas, com alguma carne agarrada, torna-se responsável pelas suas formas ventrudas e caprichosas e pelo seu inigualável sabor.” (in rotaterrafria.com)
Mas atenção, o Butelo é estrela mas as Casulas, Cascas ou Palhada (como lhe chama a minha sogra) não lhe ficam nada atrás!
Casulas:  "Trata-se de um feijão que se colhe ainda na vagem quando o grão está bem formado, mas ainda não seco. A vagem parte-se (ou não) em bocados e põe-se a secar ao sol, durante vários dias, sobre palha ou mantas. Depois de bem secas, as Casulas guardam-se em saquinhos de pano, para consumir nos dias frios de Inverno."(in gastronomias.com).
Para os comprar tem de os procurar, preferencialmente, para lá do Marão, ou então, vá ao festival do Butelo e Casulas em Bragança onde pode provar este delicioso prato em vários restaurantes!

  • 1 butelo
  • 500g de Casulas
  • 4 batatas


  1. Colocar as Casulas de molhos, de um dia para o outro;
  2. Retirar o maior número de fios às Casulas;
  3. Cozer o Butelo em água (este processo demora cerca de 2 horas, variando tendo em conta o tamanho do Butelo);
  4. Colocar as Casulas em água a ferver com sal e deixar cozer até que o feijão fique macio (cerca de 1 hora);
  5. Descascar e cozer as batatas em água temperada com sal;
  6. Depois de tudo bem cozido, escorrer, partir o Butelo em pedaços e servir acompanhado das Casulas, as batatas e um bom fio de azeite!



(Casulas, Cascas ou Palhada)




quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Festa das Fogaceiras... desde 1505 a cumprir o voto o São Sebastião!

(imagem gentilmente cedida por um amigo)

No próximo sábado, dia 20 de janeiro a Festa das Fogaceiras, a mais antiga e simbólica festividade religiosa do concelho de Santa Maria da Feira, sendo também celebrada além-fronteiras – no Brasil, na Venezuela e na África do Sul – pelas comunidades portuguesas.

A Festa das Fogaceiras teve origem num voto ao Mártir S. Sebastião, feito pelo povo da Terra de Santa Maria, numa altura em que a região teria sido assolada por um surto de peste que dizimou parte da população. Em troca de proteção, o povo prometeu, em cada dia 20 de janeiro, uma procissão e a oferta de um pão doce e delgado, habituado a ser confecionado para ocasiões especiais: a fogaça.

Esta devoção popular do culto a S. Sebastião recrudesceu na época medieval, devido às catástrofes da altura, como aconteceu em 1505, levando a que manifestações religiosas anteriores, como a festa do Espírito Santo, promovida na época da rainha Santa Isabel, donatária do Castelo da Feira, fossem convertidas no cerimonial da devoção ao Mártir, sempre acompanhado pela fogaça, o pão doce distribuído pelos pobres, dando continuidade à partilha comunitária e assistencial já vivida.
No início do cumprimento do voto, é referida a existência de três fogaças confecionadas especificamente para o ritual da devoção, que eram levadas em procissão por três jovens donzelas, desde o Castelo até à Igreja Matriz, onde eram benzidas, cortadas e repartidas pelo povo aí presente, servindo de paliativo contra os males do mundo: a fome, a peste e a guerra.
Em 1758, continuam a ir em procissão cinco jovens: três delas levam à cabeça as fogaças de um alqueire cada uma; uma leva o tabuleiro com cinco velas; e outra leva à cabeça a miniatura do Castelo da Feira “ornado de muitas bandeiras”. Nesta altura, a fogaça poderia já ter o formato que tem hoje, com a representação das quatro torres do Castelo de Santa Maria, também visto como símbolo de união deste vasto território que outrora se designou por Terra de Santa Maria.
Com o cerimonial um pouco diferente após a implantação da República, acrescenta-se o Cortejo Cívico, realizado antes da Missa Solene, e que sai dos Paços do Concelho até à Igreja Matriz do Espírito Santo, incorporando dezenas, e por vezes, centenas de meninas calçadas e vestidas de branco com uma faixa de cor à cintura – as fogaceiras –, levando à cabeça a doce Fogaça da Feira, mantendo-se a tradição dos três mandados – as três fogaças maiores –, o tabuleiro com as velas de cera e o castelo em miniatura, ornamentados com bandeiras feitas de papel colorido, recortadas de maneira a que lembrem as muralhas do castelo, acompanhadas, no couce do cortejo, pelas autoridades políticas, administrativas, judiciais e militares e outras personalidades de relevo na vida municipal.
A Procissão solene realiza-se a meio da tarde, congregando o Cortejo Cívico com os símbolos religiosos, destacando-se o Mártir S. Sebastião e a Nossa Senhora do Castelo. Durante o Estado Novo, os três mandados – três grandes fogaças – deixaram de ser repartidos pelo povo presente na cerimónia, passando a ser distribuídos pelos reclusos da prisão da Feira e pessoas consideradas mais carenciadas. Atualmente, os mandados são enviados às entidades religiosas, militares e administrativas do concelho de Santa Maria da Feira.
(in https://www.cm-feira.pt)



(imagem da net)


(imagem da net)



(imagem da net)

Roteiro para o fim de semana... saborear as Fogaças de Santa Maria da Feira!

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Bolo de Chocolate (recheio de manteiga de amendoim… cobertura de chocolate, amendoim, KitKat e Kinder Bueno)



O melhor bolo de chocolate dos últimos tempos! Foi confecionado especialmente para alguém que adora manteiga de amendoim e chocolate. A reação: - “O melhor bolo do mundo! A combinação perfeita! Obrigada!”

Acho que deviam experimentar esta tentação de chocolate!





Bolo
  • 5 ovos
  • 2 chávenas de açúcar
  • 2 chávenas de farinha
  • 1 chávena de óleo
  • 1 pacote de chocolate em pó (125g)
  • 1 colher (chá) fermento
  • 1 colher (café) bicarbonato de sódio
  • 1 chávena de água a ferver
  • 2 colheres (sopa) de whisky 

  1. Misturar os ovos com o açúcar, a farinha, o óleo, o chocolate, o fermento, o whisky e o bicarbonato de sódio . Bater tudo muito bem;
  2. Adicionar a água a ferver e continuar a bater até obter uma mistura bem homogénea e fofa;
  3. Levar ao forno (pré aquecido, 175º) a cozer, em forma untada com manteiga e  polvilhada com farinha;
  4. Depois de cozido (fazer o teste do palito), desenformar e deixar arrefecer.


Recheio
  • 140g de queijo creme
  • 50g de manteiga à temperatura ambiente
  • 1 + ½ de açúcar em pó
  • ½ chávena de manteiga de amendoim

  1. Bater a manteiga com o queijo creme;
  2. Adicione o açúcar em pó, aos poucos e continue a bater;
  3. Por último misturar a manteiga de amendoim e bata até obter um creme homogéneo. Reservar no frigorífico.


Cobertura de chocolate
  • 1 pacote de chocolate em pó;
  • 1 pacote de natas
  • 1 colher (sopa) de manteiga

  1. Levar todos os ingredientes a lume brando, mexendo sempre, até engrossar.

Decoração
  • Amendoins descascados, torrados e picados grosseiramente com uma faca
  • KitKats
  • Kinder Buenos

Montagem
  1. Cortar o bolo em duas partes e colocar uma das partes no prato de servir;
  2. Cobrir com o creme de manteiga de amendoim;
  3. Colocar a outra pare do bolo por cima da manteiga de amendoim;
  4. Com uma faca afiada, Aparar o bolo em todos os lados;
  5. Cobrir o bolo com a cobertura de chocolate;
  6. Decorar com os amendoins e os chocolates.









quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Batata Doce no forno com Tomilho



Hello, hello!
Então como correram as festas? Bem, não é? - Pois, eu sei... abusamos, comemos de mais, só coisas boas e tradicionais mas também, calóricas ... muito calóricas!
Para contrabalançar esse "estado" proponho umas deliciosas batatas doces, "fritas" no forno com tomilho. Deliciosas.

A receita é muito simples:

  1. Descascar e cortar as batatas doces em palitos;
  2. Colocar as batatas num recipiente e temperar com sal, pimenta preta, pimentão doce e tomilho fresco. Regar com um fio de azeite;
  3. Envolver todos os ingredientes;
  4. Colocar as batatas num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno (180º) até as batatas ficarem macias por dentro e crocantes por fora!

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Uma tábua de queijos deliciosos para o jantar da passagem de ano e votos de um 2018 em grande! E não se esqueça: Dream. Believe. Do. Repeat!



2017 está a chegar ao fim... foi um ano difícil. Muitas contrariedades, alguns momentos difíceis que desestabilizam  uma rotina, uma família. Mas é tempo de alegria! Neste último post de 2017 o que mais vos desejo é que 2018 venha acompanhado de muitas risadas, de momentos de partilha com a família e com amigos, muitos sucessos e boas surpresas!

Como sugestão para a mesa da passagem de ano, deixo-vos uma tábua de queijos da Saloio, uma marca portuguesas de muita qualidade.


  • Saloio Regional: Produzido a partir de três leites – vaca, cabra e ovelha pasteurizado – o queijo Regional Saloio tem todo o sabor tradicional de um bom queijo regional português.
  • Serra da Vila: Os leites de vaca, cabra e ovelha dão-lhe um sabor único e genuíno e uma textura suave e macia. Serra da Vila é um queijo prato de pasta lavada, prensada e ligeiramente amanteigada.
  • Três Igrejas: Queijo curado de mistura de leites de vaca, ovelha e cabra pasteurizados, com aroma característico e sabor genuíno proveniente uma cura de 2 meses.
  • Alavão Tradicional: Queijo de vaca curado, de aroma suave e casca amarela clara com uma pasta semi-amanteigada.
  • Saloio Toledo: Leite de vaca, cabra e ovelha pasteurizados, cloreto de cálcio, coalho, fermentos lácteos, sal e pimentão.
  • Palhais: Queijo de cabra puro de forma cilíndrica, pasta firme e um sabor forte e característico.
  • Marmelada: caseira, da minha querida Mãe.
  • Nozes, figos e amêndoas de Trás-os-Montes.
  • Tostas: finíssimas, integrais.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

A Nossa Mesa de Natal #2017




Queridos Amigos, Seguidores, Parceiros … Todos os que por aqui passam:

Os nossos desejos são de um Natal muito feliz, cheio de boa disposição e muita alegria!
E que a alegria do Natal esteja sempre no vosso caminho!
Boas Festas … cheias de momentos muito doces!!!
Obrigada por fazerem parte do nosso mundo!


E aqui fica a nossa última sugestão antes do Natal: A Nossa Mesa de Natal. Gostamos tanto do trabalho da Isabel Guise no último Natal que a convidamos novamente para nos decorar a mesa de Natal de 2017.
Sem perder o espírito cromático natalino, a Isabel  presenteou-nos com uma mesa mais diferenciadora. Foi utilizada uma toalha com motivos geométricos em preto e branco e os restantes elementos decorativos em vermelho, branco e metal dourado. 

Inspirem-se…